quinta-feira, 25 de setembro de 2014

O grande Flávio Minuano, um dos maiores artilheiros do Futebol Mundial



A CARREIRA DE FLÁVIO
Flávio Almeida da Fonseca, mais conhecido como Flávio Minuano, é um dos maiores artilheiros da história do futebol brasileiro e mundial. Por onde passou, marcou época com seus gols decisivos e sua humildade. Flávio nasceu na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, no dia 9 de setembro de 1944. Quando menino, Flávio tocava saxofone e entregava jornais, profissões que trocou depois pela de jogador de futebol.

Começou sua carreira no futebol, atuando pelo Real Madrid, equipe de várzea da cidade de Porto Alegre, de onde ele se transferiu para o Sport Club Internacional em 1959. Logo no teste que fez para tentar ingressar nas equipes infantis do Inter, marcou 3 gols em 35 minutos. Ingressou no time principal do Internacional em 1961, sendo campeão gaúcho aquele ano e ganhando o apelido de Flávio Bicudo, com o qual foi convocado para a Seleção Brasileira em 1963.

Em 1964 transferiu-se para o Corinthians onde ficou até 1969. Mesmo não conquistando nenhum título foi o artilheiro do estadual de 1967 com 21 gols (superando Pelé) e marcou um dos gols que quebrou o tabu de 11 anos que o Corinthians ficou sem ganhar do Santos. Foi neste período que ganhou do locutor Geraldo José de Almeida o apelido de Flávio Minuano, numa alusão ao vento minuano, característico do Rio Grande do Sul.

Do Corinthians, Flávio transferiu-se para o Fluminense em 1969. Na final do campeonato carioca daquele ano, diante de um Maracanã lotado com mais de 171 mil pagantes, o Flu venceu o Flamengo por 3 a 2 num jogo emocionante em que Flávio foi o grande herói da conquista. Pelo Fluminense, Flávio foi ainda Campeão Brasileiro (Torneio Roberto Gomes Pedrosa) em 1970 e do Carioca de 1971, marcando 92 gols em 115 partidas disputadas neste período, uma marca expressiva. Após a sua vitoriosa passagem pelo Fluminense, Flávio se transferiu para o Futebol Clube do Porto, de Portugal, marcando mais de 70 gols pelo clube Português.

Voltou para o Brasil e para o Internacional em 1975, reestreando logo num Gre-Nal, no dia 13 de julho. Marcou um gol logo aos 4 minutos, ajudando a construir a vitória do Inter por 2 a 1. Quatro semanas depois, na decisão do campeonato gaúcho, em nova decisão contra o Grêmio, Flávio marcou na prorrogação o único gol da partida, dando ao Inter o título de heptacampeão gaúcho. Nos meses seguintes, foi artilheiro do Campeonato Brasileiro de 1975, com 16 gols, ajudando a construir o primeiro título nacional da equipe do Internacional. Além de Flávio, aquele timaço comandado por Rubens Minelli tinha Falcão, Figueroa, Carpegiani, Manga e Valdomiro.



NO PELOTAS
No segundo semestre de 1976, Flávio transferiu-se para o Esporte Clube Pelotas, no Áureo-Cerúleo fez história e virou ídolo do torcedor. No inicio da temporada de 1977, em disputa do Campeonato Citadino, Flávio fez 6 gols em 3 clássicos Bra-Peis. No mesmo ano foi campeão da Taça Nicolau Fico e artilheiro do campeonato gaúcho, quando marcou 13 gols, totalizando 24 gols pelo Lobão naquele ano. Em 1978 e 1979 Flávio continuou vestindo a camisa do Pelotas, e mesmo com lesões durante as temporadas, seguiu a marcar seus gols com todo oportunismo que caracterizou sua brilhante carreira.




A SEQUÊNCIA
Logo após ser destaque no Pelotas, Flávio acabou chamando a atenção dos dirigentes do Santos, clube para onde se transferiu ainda em 1977, por empréstimo, para disputar o Campeonato Brasileiro. Jogou ainda no Figueirense em 78, também por empréstimo,  e no Brasília. Encerrou a carreira no Jorge Wilstermann, em 1981, aos 37 anos.



Foto do time do Pelotas na partida contra a Seleção Uruguaia em 1977


SELEÇÃO BRASILEIRA

Pela Seleção Brasileira, Flávio jogou de 1963 a 1968, atuando em 18 partidas e marcando 8 gols. Fez parte do quarteto magico da Seleção, juntamente com Pelé, Garrincha e Ademir da Guia. Flávio foi titular da Seleção Brasileira no Sul Americano de 1963. Flávio ainda tem mais uma marca expressiva. Ele marcou 1.070 gols em toda sua carreira. Em julho de 1973, em entrevista à revista "Placar", Flávio, então no Porto (POR), revelou que seu empresário e dois jornalistas o ajudaram a fazer uma lista, e que ele já somava 972 gols desde as categorias de base, tendo anotado o milésimo gol em 1976. "Foi quando eu jogava pelo Pelotas, no interior do Rio Grande do Sul, em uma partida contra o Caxias no Alfredo Jaconi. Acho que foi empate de 3 a 3. O pessoal lá comemorou, teve um oba-oba, mas foi uma coisa superficial. O Brasil não ficou sabendo. Recentemente, fizeram um levantamento e me falaram que eu fiz 1.070 gols no total. 

Garrincha, Ademir da Guia, Flavio Minuano, Pelé e Rinaldo

1966: Era dia de exames médicos para os jogadores da seleção brasileira de futebol, em preparação para a Copa do Mundo que seria disputada na Inglaterra. Acompanhados pelo jornalista Sérgio Barbalho (no extremo direito da foto), Pelé, Flávio Minuano, Bellini, Fontana e Orlando, passeiam pelo centro do Rio de Janeiro.
Carlos Alberto Torres, Flávio Minuano e Babá na Seleção Brasileira em 1968.
Crédito: site do Milton Neves.
Seleção Brasileira com Flávio Minuano, Pelé e Garrincha
DEPOIS DE APOSENTADO:
Após largar o futebol, Flávio Minuano foi morar em São Paulo, onde atualmente trabalha como treinador em uma escolinha de futebol. No ano de 2008, Flávio foi uma das estrelas na festa de 100 anos do Esporte Clube Pelotas.

Flávio foi presença destacada na partida entre ex. jogadores do clube durante o centenário na Boca do Lobo
Flávio Minuano na festa dos 100 anos do Pelotas
Flávio tem sua bandeira sempre presente em jogos na Boca do Lobo
TÍTULOS: 
Internacional
Campeonato Brasileiro: 1975.
Campeonato Gaúcho: 1961,1975,1976.
Corinthians
Torneio Rio-São Paulo: 1966.
Fluminense
Campeonato Brasileiro: 1970.
Campeonato Carioca: 1969,1971.
Taça Guanabara: 1969, 1971
Pelotas
Copa Nicolau Fico: 1977

ARTILHARIA:
Corinthians
Torneio Rio-São Paulo: 1965 (13 gols).
Campeonato Paulista: 1967 (21 gols).
Fluminense
Campeonato Carioca: 1969 (15 gols), 1970 (18 gols).
Internacional
Campeonato Brasileiro: 1975 (16 gols).
Pelotas
Campeonato Gaúcho: 1977 (13 gols).
Copa Nicolau Fico: 1977 (5 gols)

CONQUISTAS INDIVIDUAIS:
* Placa no Corinthians por ter marcado 166 gols e por ser o autor do gol que quebrou o jejum de 11 anos sem vitória sobre o Santos:
* Gol do título de Campeão da Taça Guanabara pelo Fluminense em 1969;
* Gol do título de Campão Carioca em 1969
* Jogou somente 2 anos no Flu e é o quarto maior goleador da história do clube;
* Ídolo e goleador no Porto (Portugal) onde jogou de 72 a 75
* Vários jogos com Pelé como titular na seleção brasileira:
* Valdomiro, ex. Internacional, em entrevista disse que foi o centroavante mais completo com quem ele jogou.
 
CLUBES
1961 - 1964: Internacional
1965 - 1969: Corinthians
1969 - 1971: Fluminense
1972 - 1975: Porto
1975 - 1976: Internacional
1976 - 1977: Pelotas
1977 - 1977: Santos (empréstimo)
1977 - 1978: Pelotas
1978 - 1978: Figueirense (empréstimo)
1979 - 1979: Pelotas
1979 - 1979: Brasília
1981 - 1981: Jorge Wilstermann


Links:
Entrevista sobre os 1.070 gols para a globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog