quarta-feira, 21 de outubro de 2015

O gol que Pelé não fez na Copa de 70, aconteceu na Boca do Lobo em 2001

Quinta-feira é dia de final da Copa Luiz Fernando Costa no estádio da Boca do Lobo e antes do duelo contra o Lajeadense, tem preliminar entre o timaço de 2001 e uma seleção de craques que já vestiram o manto azul e ouro. Na expectativa para o jogo, o torcedor Guilherme Tavares escreveu um texto relembrando do gol antológico marcado por João Miguel ensinando Pelé como se faz e a nossa casa foi o palco deste fato. 



O GOL ANTOLÓGICO DE JOÃO MIGUEL

Foram diversas partidas marcantes naquele Gauchão de 2001, em que o Pelotas foi campeão da fase seletiva e terminou em terceiro lugar na tabela geral, conquistando a vaga para a Copa Sul-Minas de 2002. Ao total, foram quarenta vezes que Lobão balançou as redes e fez a torcida pular de alegria. Mas entre tantos gols marcados, houve um em especial que entrou para a história do clube como “o gol que o Pelé não fez”.

Tarde de sábado, 3 de fevereiro de 2001. O Pelotas enfrenta o Avenida de Santa Cruz, na Boca do Lobo. O jogo é eletrizante e o Lobão pressiona querendo abrir o placar. Na primeira etapa, o Pelotas já havia acertado a trave com Edenílson, em cobrança de falta. Em outro lance, o zagueiro Dias cabeceia forte mas a bola explode no jogador do avenida, posicionado em cima da linha do gol defendido pelo goleiro Sandro. Logo aos 12 minutos do segundo tempo o Avenida desperdiça sua melhor chance quando Alê Menezes, cobrando pênalti, acerta o travessão do goleiro Rafael. O Pelotas dá o troco com Assis, que recebe na área e coloca para o fundo da rede, mas o bandeirinha já assinalava o impedimento do atacante áureo-cerúleo.

Quando tudo parecia se encaminhar para um zero a zero, a bola se oferece para o zagueiro João Miguel, ainda no campo de defesa do Pelotas. Percebendo o goleiro adiantado e sentado no gramado, João Miguel chuta; a bola toma elevação e atravessa a cancha descrevendo uma promissora parábola, fazendo levantar em silêncio as mais de cinco mil testemunhas presentes nas arquibancadas da Boca do Lobo. A expectativa aumenta conforme a bola começa a descer em direção ao gol. O goleiro Sandro corre e se atira no ar, com o braço esticado, mas já é tarde. O meteoro implacável mergulha entre o travessão e a mão do goleiro, ao mesmo tempo em que a torcida explode de alegria na arquibancada. Após o golaço, o centroavante Roberto ainda ampliaria o placar, decretando a vitória de dois a zero para o Pelotas e a classificação para o Octogonal Final. 

No dia seguinte à partida, redes de televisão de todo país reproduziram diversas vezes as imagens do gol antológico de João Miguel, em inevitáveis comparações ao lance protagonizado pelo Rei Pelé na Copa de 1970.

RELEMBRE O JOGO CONTRA O AVENIDA NO GAUCHÃO DE 2001 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog